81º Aniversário do CHSA reúne hipismo e arte

0
131

 

Obras de 12 renomados artistas plásticos estarão expostas no casarão do Clube Hípico de Santo Amaro, em São Paulo (SP), de 1º a 7/09. O evento faz parte das comemorações do 81º Aniversário da entidade e é aberto ao público. Confira quem vai expor no “Arte no Casarão”

Marina Pitt

 

Umas das telas de Marina Pitt que você pode apreciar na "Arte no Casarão"
Umas das telas de Marina Pitt que você pode apreciar na “Arte no Casarão”

 

Nascida em uma família de raízes mistas, a neta de imigrantes italianos e espanhóis fez do contato com as diferentes práticas culturais ao longo de sua formação artística as referências para suas obras que são consideradas de um estilo sofisticado e manifestadas através da livre experimentação no uso de técnicas de figuração que se entrelaçam com o abstrato. Composto de técnicas como óleo sobre tela, lápis de cera, folhas de ouro e cobre, areia e serragem, o trabalho de Marina Pitt retrata figuras humanas, animais e elementos da natureza, seja ela real, física ou abstrata.

Caciporé Torres

Escultor, desenhista e professor, esse paulista de Araçatuba teve sua formação em famosos ateliês europeus e história da arte na Sorbonne, em Paris. Em sua fase na França passou a desenvolver obra de caráter abstracionista. Suas obras têm formas maciças orgânicas e geométricas, onde Caciporé utiliza peças metálicas de aparência industrial como o aço, bronze e ferro. Suas esculturas geralmente têm grandes dimensões e integram museus e espaços públicos. No Brasil, podem ser conferidas na Praça da Sé e no metrô Santa Cecília, ambos em São Paulo, além do painel escultórico em Miami, nos Estados Unidos. Capiporé presidiu a Associação Internacional de Artes Plásticas/Unesco em 1970. Em 1980 e 1982 foi eleito o melhor escultor brasileiro pela Associação Paulista de Críticos de Arte.

Claudio Tozzi

Nascido em São Paulo, Tozzi é pintor, desenhista, gravador e arquiteto. Multi-cromatismo e técnica pontilhista caracterizam a obra de Tozzi que há três décadas está presente na paisagem paulistana e livros de arte brasileira. A pop art, pássaros, paisagens brasileiras e urbanas, escadas e retalhos geométricos fazem parte da inspiração do artista.

Cenimar Soares

Arquiteta, designer e pintora de Ribeirão Preto (SP), Cenimar tem suas pinturas conhecidas em campanhas publicitárias as mais variadas. Seu trabalho de pintora se revela em estampas de tecidos, acrílica sobre tecidos, duratex e vinil, grafite sobre papel e óleo sobre duratex, entre outros.

Ferracioli

O pintor Luiz Carlos Ferracioli nasceu em Mococa (SP). Começou sua trajetória pelo mundo da arte cursando desenho básico por correspondência na Escola Panamericana de Arte. Depois, cursando o Seminário São Francisco, em Campinas (SP), se familiarizou com os grandes mestres da pintura e suas obras eram inspiradas em temas bíblicos. Em 1969 deixou o Seminário para se dedicar exclusivamente à pintura, onde os temas se voltaram para a Guerra no Vietnã, racismo e filosofia hippie. A partir de 1970 passou a integrar o Movimento Arte e Pensamento Ecológico.

Inos Corradin

Pintor, cenógrafo, gravador e desenhador, esse italiano nascido em Vogogna vive e trabalha em Jundiaí (SP) desde 1950. Estudou pintura com o professor Tardivello e colaborou com o pintor Pendin na execução de um mural alusivo aos mártires da Resistência italiana em Castelbaldo, em Podova, Itália. Pintor de paisagens, figuras e naturezas-mortas, a arte de Corradin é humorada, com tendência a estilização e com bons recursos cromáticos. Entre os prêmios que recebeu destaque para o Prêmio Internacional Paris Stud, na França, em 1975, e o Prêmio Quadrívio de Pinturas, na Itália, em 1979. Corradin expôs individualmente na Alemanha, Argentina, Canadá, Estados Unidos, Holanda, Itália, Israel, Suíça e Uruguai. Suas obras já foram expostas na Galeria D´Hautbarr, em Nova York, na Galeria Debret, em Paris, no Salão Internacional Paris Stud, na Galeria Steigen-Berger, em Belim, além de diversas galerias brasileiras.

Lucas Pennacchi

 

Pintura de Lucas Penacchi com tema marítimo
Pintura de Lucas Pennacchi com tema marítimo

 

Estilo singular e ousado, essas são algumas das características atribuídas ao trabalho de Pennacchi, paulistano nasceu e cresceu em um ambiente de arte. Filho e aluno de Fulvio Pennacchi, renomado pintor, desenhista, muralista e ceramista, Lucas lança mão da tinta acrílica, do nanquim e da areia, entre outros materiais para “reinventar com sensibilidade as paisagens brasileiras em sua dimensão e lirismo. A proposta de sua pintura é direcionada pela estética e proporção, é uma poesia colorida da natureza, do amor e do humor”, diz a crítica. A diversidade de técnicas e temas, a maneira singular de brincar com formas e cores são características da obra de Lucas Pennacchi.

Maria Cecíla São Thiago

Um olhar único que busca mostrar como a fotografia pode “se estender para além dos seus próprios limites físicos e subjetivos e muitas vezes contra toda a história sobre os efeitos da interação humana”, nas palavras dessa fotógrafa paulista que produz suas imagens com o iPhone e as elabora através de aplicativos para iPad. Oníricas ou pictórias, as fotos não apresentam uma realidade factual, mas uma ilusão “fabricada para conjurar os domínios da nossa imaginação”. O trabalho de Maria Cecília é fruto de processos de imaginação e visualização: “o que pode ser visto de forma explícita como um ritual para perceber intuitivamente o que está oculto”, diz.

 

Martins de Porangaba

Paulista de Porangaba, José Carlos Martins é pintor, desenhista e gravador. Cursou desenho, pintura e modelo vivo na Associação Paulista de Belas Artes, estudou gravura com Paulo Mentem e modelagem com Olinda Dalma. Em 1972 fundou o Atelier J. Martins. Figuras humanas, de animais, de paisagens, do circo e da natureza fazem parte da inspiração de sua obra que se espalha por instituições e acervos particulares no Brasil e no exterior como a Pinoteca do Estado de São Paulo e da prefeitura de Piracicaba, o Museu de Arte Contemporânea de Campinas, o Centro Cívico de Santo André, a Divisão de Museus e Arquivos Históricos de Taubaté, todas no interior paulista, além do Brazilian American Cutural Institute e no Sport 1 Gallery Remisen Brande Dinamarca.

Marysia Portinari

Paulista de Araçatuba, Marysia foi aluna do famoso Cândido Portinari, seu tio-avô materno, além de cursar desenho e pintura com Waldemar da Costa e Flávio Mota no Museu de Arte de São Paulo. Figuras, casamentos caipiras e naturezas-mortas são retratados em suas obras, entre elas o painel da Companha de Seguros Loyd Sul Americano. Marysia Portinari participou de exposições coletivas e individuais na Argentina, Brasil, Estados Unidos, França, Itália, México e Portugal.

Paulo Sayeg

 

"Cavaleira", obra de Paulo Sayeg que vai estar exposta no Casarão
“Cavaleira”, obra de Paulo Sayeg que vai estar exposta no Casarão

 

Desenhista e pintor, Paulo Sayeg é considerado um dos mais significativos artistas visuais brasileiros da atualidade. Sua obra foi analisada e elogiada por importantes críticos brasileiros e internacionais. Na mostra coletiva “Arte no Casarão” Sayeg estará expondo duas obras da série “Cavaleiras e Cavaleiros”. Como desenhista, Sayeg se baseia em uma ideia ou uma historia. Neste conjunto de trabalhos, uma visão barroca misturando uma serie de tradições caras ao artista, passando pela cultura mourisca, os mitos sebastianistas e toques de cultura africana transformam-se numa miríade de imagens digna de um enredo de uma escola de samba. Sayeg opta por uma heroína para este conto, lado a lado com o tradicional cavaleiro de armadura, uma amazona doce e onírica, mas ao mesmo tempo forte e poderosa, o que em sua visão representa a anima de todos nós. As obras de Sayeg integram inúmeras coleções particulares e públicas, no Brasil e no exterior, entre as quais a da Pinacoteca do Estado de São Paulo. O artista participou de diversas exposições individuais e coletivas, no Brasil, Holanda, Estados Unidos e Itália entre outras, e entre os prêmios conquistados destaque para o de melhor desenhista pela APCA em 1987.

Waldomiro Sant’anna

Paulista de Itápolis, cursou a Faculdade de Belas Artes de São Paulo, cursos teóricos e práticos e frequentou atelier de pintores. Foi professor universitário e trabalhou na Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo antes de se dedicar exclusivamente a sua pintura. “Mulheres que nos recordam Di Cavalcanti; garotos que parecem citações de Portinari; aqui um sonho surreal à Chagal, ali, uma geometria picassiana”, são algumas das impressões citadas sobre a obra de Waldomiro Sant´Anna. Mulheres, crianças, músicos, festas, brincadeiras de rua são tremas recorrentes na obra desse pintor que desde a década de 1970 participa de exposições coletivas e individuais no Brasil, China, Estados Unidos, França, Itália e Portugal e suas obras estão espalhadas em galerias e acervos particulares de vários países.

Serviço
“Arte no Casarão”
12 artistas
De 1º a 7/09
Coquetel de Abertura: 31/08 às 17h00
Clube Hípico de santo Amaro
Rua Visconde de Taunay, 508 – br. Santo Amaro
São Paulo – SP
Entrada Franca
Estacionamento: R$ 25,00

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui