Marcio Appel fecha sua experiência nas Olimpíadas do Rio com saldo positivo

0
119

O cavaleiro nascido no Clube Hípico de Santo Amaro, Marcio Appel, fechou nessa terça-feira, 9/8, a participação na primeira olimpíada de sua carreira, com a realização da prova de Salto no Complexo Esportivo de Deodoro. Sem dúvida Marcio cumpriu seu papel dentro da equipe brasileira completando a prova de Concurso Completo de Equitação, considerado o triatlo equestre, uma das provas equestres mais difíceis, que exige muita resistência de animais e ginetes.

 

Marcio Appel e Iberon JMen na prova de Salto do CCE no Rio 2016; foto: CBH
Marcio Appel e Iberon JMen na prova de Salto do CCE no Rio 2016; foto: CBH

 

Após a fase de adestramento e de um duro percurso de cross-country, considerado um dos mais difíceis dos últimos tempos, com saldo de 19 conjuntos eliminados ou desistentes, Marcio Appel e Iberon JMen terminaram o percurso de salto com 16 pontos por faltas. Fora da zona de classificação, o cavaleiro encerrou sua participação nos Jogos do Rio na 39ª posição, com 137.60 pontos perdidos.

“Eu estava esperando um pouco mais do meu resultado, meu forte no CCE é essa prova de salto. Eu vim dessa modalidade, o meu cavalo também, mas realmente é muito diferente você saltar depois do cross. Os cavalos chegaram exaustos. Acho que eu podia ter evitado uma ou duas faltas, mas no geral acho que a minha primeira participação em Olimpiada foi muito boa”, comentou Marcio Appel.

 

Marcio Appel concede entrevista; img: reprodução faceboo
Marcio Appel concede entrevista; img: reprodução faceboo

 

Todos os conjuntos brasileiros chegaram à prova final de Salto, feito conseguido apenas pelas equipes da França, Grã-Bretanha e Rússia. Com 280.90 pp a equipe integrada por Marcio e Iberon, ao lado de Marcio Carvalho Jorge / Lissy Mac Wayer, Ruy Fonseca / Tom Bombadill Too e Carlos Parro / Summon Up The Blood finalizou sua participação entre as dez melhores do mundo, na 7ª colocação, à frente de equipes fortes como Canadá e Estados Unidos. Essa foi a segunda melhor marca da história, uma vez que o Brasil foi 6º em Sydney 2000.

Na classificação individual, o Brasil ficou com dois cavaleiros entre dos 25 melhores, Carlos Parro, o Cacá, com Summon up the Blood e Marcio Jorge montando Lissy Mac Wayer, que disputaram a final individual, garantindo o 18º e o 25º posto respectivamente. Ruy Fonseca com Tom Bombadill Too foram eliminados por queda na prova de salto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui